Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Cantinho da Mafalda

O Cantinho da Mafalda

Ter | 26.06.18

Todos nós temos a nossa tinta amarela

Mafalda

Há uns dias atrás li que o famoso pintor Van Gogh costumava comer tinta amarela por achar que esta era tão alegre e viva que poderia trazer-lhe verdadeira felicidade.

Ao princípio pensei esta ideia louca, quem é que no seu perfeito juízo iria comer algo tão tóxico como tinta e achar que esta iria trazer felicidade para a sua vida?!

Mas depois comecei a olhar à minha volta, quantas vezes é que esperamos que coisas tóxicas nos tragam felicidade? Quantas vezes consumimos "tinta amarela" numa busca pelo sentimento de calor e alegria dentro do nosso corpo?

Lembro-me bem do dia em que a minha melhor amiga chorou no meu colo durante noites seguidas porque o namorado a tinha traído com uma rapariga tão vulgar como outra qualquer apenas porque no momento não pensou nas consequências dos seus atos, lembro-me também de entrar em casa dela uma semana depois e vê-la ás gargalhadas com ele, com a mesma pessoa que a faz chorar, com a mesma pessoa que a faz querer revoltar-se contra o mundo.

Lembro-me bem do dia em que ouvi os meus pais aos berros na cozinha, com palavras que cortam tão fundo como facas afiadas, as vozes tão tensas que pensei que o mundo todo ia desabar, insultos lançados, a minha mãe com a voz fraca das lágrimas, lembro-me que nas semanas seguintes o ambiente pesado assombrou a casa e o silêncio que nos envolvia era ensurdecedor, mas lembro-me também da forma como um ramo de flores e uma desculpa barata conseguiu esconder os problemas todos.

Lembro-me do dia em que um rapaz que eu sabia que só me queria usar me beijou, e eu deixei porque o que sentia por ele era amor e afinal não interessa as intenções dele no princípio desde que eu faça com que ele se apaixone, certo?!

A verdade é que todos nós nos colocamos em situações tóxicas para obter felicidade, queimamos o nosso coração em troca de apenas uma centelha de calor que dura apenas uns segundos.

A verdade é que percebo o Van Gogh porque se estamos tão desesperadamente infelizes e existe uma mera chance de uma ideia maluca como pintar os nossos órgãos internos de amarelo resultar em felicidade, nós tentamos, mesmo que seja tóxico, mesmo que nos possa matar porque a possibilidade de puder resultar dá-nos esperança e é o que nos mantém vivos ao final do dia.

Mas será necessário? Será que vale a pena este constante suicídio a que nos submetemos? Todos nós temos a nossa tinta amarela, e cabe a cada um de nós decidir se precisamos dela ou não.

 

2 comentários

Comentar post